Um soneto para mim…

Ganhei de um ex... é tão estranho se ver pelos olhos de outra pessoa! Mais me assustou do que lisonjeou. A invisibilidade é sempre mais segura...   SEGUNDO SONETO DE PATRÍCIA Que eu pertença ao seu passado, que seu presente seja sempre refeito que ao se lembrar de mim você se lembre de nós, da … Continue reading Um soneto para mim…

Advertisements

A falta de noção da ministra e o viés de corporação do poder Judiciário.

A Desembargadora Luislinda chegou às manchetes de jornal por reclamar de não incorporar vencimentos de ministra aos de desembargadora aposentada, o que a jogaria ao dobro do teto máximo de vencimentos do serviço público. Para ela, não acumular os vencimentos seria como trabalhar de graça, e isso é escravidão. Ora, uma mulher negra, advogada e … Continue reading A falta de noção da ministra e o viés de corporação do poder Judiciário.

Não à predação! Encoxar não é elogio, é constrangimento, seu Juiz!

Frotteur ou não frotteur? Eis a questão! Que eu respondo com um tempo de cadeia para o desgraçado! Toda mulher que precisou usar transporte público já se viu alguma vez na situação de vítima ou de testemunha da seguinte situação: um indivíduo, quase sempre homem, se encosta em outra pessoa, geralmente uma mulher ou menina, … Continue reading Não à predação! Encoxar não é elogio, é constrangimento, seu Juiz!

De escravo a patrão. No século XXI o Brasil ainda não mudou.

Sou uma pessoa que acredita em muitos ideais considerados liberais, como,por exemplo, a flexibilização dos contratos de trabalho e a liberdade de negociação entre patrões e empregados e de associação, sem intervenção do estado (isto é, sindicatos devem operar como num mercado e não devem ser mantido a custa de tributos, mas apenas de contribuições … Continue reading De escravo a patrão. No século XXI o Brasil ainda não mudou.