A Adúltera Social

 

  • Tudo passa, menos a adúltera. Nos botecos e nos velórios, na esquina e nas farmácias, há sempre alguém falando nas senhoras que traem. O amor bem-sucedido não interessa a ninguém.

295_ohokfeucmu

Uma citação de Nelson Rodrigues é sempre algo que me trás um sorriso aos lábios. Um sorriso meio cúmplice, pois ele se propôs a dizer o que não é para ser dito e das piores maneiras possíveis. O Anjo Pornográfico tinha o olhar atemporal, agudo, cruel, mas também passional que somente os jovens no coração são capazes de ter.

 

Esse modo de ver a vida me persegue. Nunca consegui expulsá-lo de dentro de mim. Ter sido uma menina com problemas respiratórios me fez ficar mais em casa, e meu temperamento observador não resistia ao hábito que a família tinha de comentar sobre os problemas uns dos outros, dos vizinhos e até de si mesmos.  Eu gostava de ouvir as conversas, e também de cruzar informações mentalmente, adorava observar os gestos, as expressões faciais, os olhares significativos que algumas pessoas trocavam como se partilhassem segredos ou alguma opinião secreta sobre uma terceira pessoa.

Eu não tenho atração pelo que é proibido, não é isso. Apenas não gosto de meias-palavras, acho mesmo que não sei lidar bem com elas. Eu vejo tão bem certas coisas da natureza humana que chego a me assustar, e penso que devo realmente ser doente!

Uma das coisas atraentes na minha opção religiosa é essa aceitação da humanidade como um fato complexo.  Não existem bem e mal como entidades antitéticas, nem mesmo como dialética: o bem e o mal não existem, e apenas o humano existe pleno de fatores tão diversos que apenas duas categorias são incapazes de abarcar.

No discurso rodrigueano o amor é eivado de sexo e não pode existir sem desejo. Só há amor erótico, do contrário é amizade e não pode haver amizade senão entre iguais. Homens e mulheres não são iguais e ponto final. Essa diferença é definida a priori pela própria biologia e o resto construímos culturalmente. Seja a atração do lingam pelo yoni, ou o homem com seu X defeituoso que tornado Y apenas se realiza na posse do segundo X feminino; é o amor erótico domado pelas convenções sociais que emerge em sua selvageria atávica.

Um amor que se desentende de si mesmo nesse século XXI, creio eu. Ainda assim, permanece o fascínio pelo amor infeliz, como perversão.

D.H Lawrence descreve a mulher como um figo, uma fruta opaca por fora, mas rubra e suculenta por dentro; o figo seria uma fruta uterina que se expõe apenas quando maduro demais, apodrece e deixa ver seu interior. A mulher moderna sinaliza o seu interior como um figo maduro, não mais cuidando de sua sexualidade como um segredo, e não mais fazendo do segredo o seu atrativo diante do homem. O homem precisa redefinir o seu desejo diante de uma mulher que não é mais seu útero, mas sim um corpo inteiro de manifestação sexual.

O homem de Lawrence se queda perplexo diante do desejo e da sexualidade feminina, que ele não pode conter, lembrando a si mesmo que “ripe figs won´t keep”. Ora, mas o que permanece neste mundo? O que é apodrecer sem se dar a conhecer e sem conhecer? Sem estabelecer formas de prazer? A mulher comete então adultério em relação a imagem que um dia a comprometeu diante da sociedade e do homem.

Toda mulher é hoje uma adúltera, um figo maduro. Ainda assim, resta ao macho um pequeno prazer… o do olhar e do falar, prazer ainda que incompleto, pois falar da adúltera não é divertido se o adultério não representa mancha alguma e, se da exposição da infidelidade não se pode exercer nenhum tipo de controle sobre o outro. A condenação é ineficaz, a sanção inexistente, a opinião é irrelevante.

No entanto, falar do amor fracassado é ainda interessante, pois no fundo nos remete a falta que sentimos desse sentimento tão idealizado, tão cantado, tão modificado ao longo da humanidade.

A chave do controle do homem sobre a mulher não é mais o controle da sexualidade… é o amor. É impor o poliamor, a polifamília, fazê-la negar suas necessidades emocionais… essa é sua punição ao grande adultério da liberdade do corpo feminino.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s